Desvio de função: de quem é a responsabilidade?

Escrito por Assessoria de Comunicação/Sindisan Publicado .

Funcionário desviado de sua função originária quase nunca é bom para uma empresa. Na DESO, a afirmativa se justifica quando se verifica, de fato, que trabalhador exercendo uma atividade que não aquela para qual prestou concurso público, e sim superior a esta – portanto, em desvio de função –, quando a situação lhe é favorável, ele não se sente estimulado a denunciar ou queixar-se de nada que esteja acontecendo de errado no seu entorno.

Agora, quando este mesmo trabalhador, que ficou durante anos exercendo funções superiores a sua e se beneficiando, por um motivo ou outro é mandado de volta para a sua função de origem, aí a DESO que se prepare, pois o que tem acontecido muito é que alguns acabam por acionar a Justiça por se sentirem “lesados” por voltar à sua função original, o que é um tremendo contrassenso, pois a sua função de origem é aquela para qual ele prestou concurso. O fato de ter assumido um cargo de chefia não assegura a incorporação automática da função.

E ainda tem o agravante absurdo de que, muitas vezes, esse mesmo funcionário, quando se muda a chefia, mesmo tendo acionado a Justiça para interceder sobre a sua causa, volta a desempenhar exatamente a mesma função que foi objeto da ação movida por ele contra a Companhia. Temos dezenas de casos assim na DESO, infelizmente.

Então, é preciso questionar: a quem cabe coibir este tipo de anomalia? Está faltando gerenciamento?

Funcionamento

Segunda à sexta, das 07:00 às 12:00 e das 14:00 às 17:00.

Contatos

Tel.: (79) 3214-3650

sindisan.se@gmail.com

Endereço

Rua Marechal Deodoro, 1012 - Bairro Getúlio Vargas, Aracaju - SE. CEP: 49055-400